terça-feira, 6 de abril de 2010

LIVROS DISPONÍVEIS **

Quase todos os livros mencionados nos posts do novo blog PSICOLOGIA PARA TODOS e nas suas versões anteriores (do Blogger e Blog.com) , têm uma tiragem limitada e podem não estar à venda nas livrarias.

Para os adquirir contra reembolso através dos serviços dos CTT, sem pagamento de portes, basta encomendá-los através dum e-mail para mariodenoronha@gmail.com escolhendo os que se apresentam a seguir neste post e, eventualmente num outro, se todos não couberem neste.

Para quaisquer outras informações é favor contactar:
Centro de Psicologia Clínica
mariodenoronha@gmail.com
ou o blog Terapia Através de Livros em: 
http://livroseterapia.wordpress.com/


SAÚDE MENTAL sem psicopatologia
Abordagem das perturbações mentais em linguagem corrente e simples, fácil de entender. Versa a parte histórica desde a origem da humanidade, as metodologias utilizadas para o seu estudo, as classificações, a sintomatologia, as possíveis intervenções terapêuticas e a profilaxia que pode ser efectuada para evitar situações que se vão agravando com a complexidade da vida citadina. Prevenir é muito mais proveitoso do que remediar. Como nunca é tarde para aprender e só uma aprendizagem activa pode ajudar a evitar os males que já nos afligem, este livro ajuda a ter uma visão de conjunto com a possibilidade de se poder adoptar as medidas de correcção necessárias.
Calçada das Letras, 200 pp.,14x21 [cm], 2008
ISBN: 978-989-95728-0-5 / € 15,00
*********************************



ACREDITA EM TI. SÊ PERSEVERANTE!
(Desequilíbrio Psicológico? A auto-terapia possível)
Antunes, técnico de finanças e economia, devido ao seu trabalho atu-rado e ininterrupto, não conseguia dar a atenção necessária à sua família. Em virtude da sua vida profissional, a sua única filha começou a ter insucesso escolar, a mulher dificuldades emocionais e ele entrou em depressão. A conselho de um psicólogo seu amigo em quem confiava muito, conseguiu dar apoio psicopedagógico à filha, fazendo com que vários outros problemas surgidos na família, causados por este insucesso aparente, fossem resolvidos. Isso ajudou-o a realizar uma psicoterapia por si próprio, o que melhorou a interacção familiar e todo o ambiente sócio-escolar da criança.
Centro de Psicologia Clínica,148 pp., 2ª ed., 14x21 [cm], 2010
ISBN: 978-972-707-725- 029-5 / € 13,00
****************************


EU TAMBÉM CONSEGUI!
A Cidália, técnica de Comunicação Social começou a «alcoolizar-se» e quase a «prostituir-se» por sofrer de perturbações depressivas, devido à «vida sócio-afectiva» irregular dos seus pais. Foi medicada com anti-depressivos durante alguns anos, até que começou a sentir-se inutilizada para a sua actividade académica e profissional. O Antunes, amigo dos avós, contou-lhe a sua história e, a Cidália, com uma ligeira ajuda do psicólogo, conseguiu seguir-lhe o exemplo e não só reduziu os seus males, como resolveu enveredar por um caminho desejável para os seus futuros filhos. Mudando completamente a sua vida de depressão para o sucesso e bem-estar físico e mental, resol-veu «estudar» melhor os «efeitos» dos medicamentos psiquiátricos e deixar algumas pistas para os que queiram seguir-lhe o exemplo.
Centro de Psicologia Clínica, 180 pp., 14x21 [cm], 2010,
ISBN: 978-972-725-028-8 / € 15,00
*************************************


JOANA a traquina ou simplesmente criança?
A história da JOANA iniciada em 1990 no livro COMO COMPREEN-DER AS CRIANÇAS, continuada com ADOLESCÊNCIA - Idade Crítica?, PREPARAÇÃO PARA A MATERNIDADE e COMO EDUCAR AS CRIANÇAS, está reunida em livro único que aborda todas as idades até a adolescência. As informações e conselhos dados hipoteticamente só à mãe da Joana, são o resultado das consultas que, neste caso, servem para que os pais ajudem os filhos a ser mais responsáveis e a crescer de forma saudável. Quanto mais cedo se iniciar esta tarefa profiláctica de «educar bem» uma criança, de maior bem-estar e sossego podem usufruir os pais, porque ficam mais ou menos com a certeza de que os filhos não enveredarão pelos caminhos desagradáveis da «droga», delinquência e gravidez prematura. O equilíbrio indispensável duma família serve de profilaxia numa sociedade em que existem desvios e perturbações e na qual os pais se afligem cada vez mais com o futuro dos filhos. A Joana era uma criança irrequieta, birrenta e maçadora. Utilizaram-se com ela as técnicas de modificação do comportamento. Esta família, em vias de ficar «des-unida» por divergências na educação da filha, uniu-se novamente. Como resultado, nasceu outra nova criança que, ao longo da sua educação, foi ajudada pela Joana através das técnicas de modificação do comportamento com ela ensaiadas.
Centro de Psicologia Clínica, 316pp., 14x21 [cm], 2010,
ISBN 978-972-707-725- 030-1 / € 21,00
************************************


DEPRESSÃO? NÃO Obrigado!
Isilda tentou o suicídio por causa de uma desilusão amorosa e da necessidade de se «desenvencilhar» do «controlo» que a mãe exercia nela. Com a ajuda que teve do psicoterapeuta depois de insucesso no suicídio, aprendeu a dar mais valor a si própria e às suas ambi-ções. Em vez de se sentir «deprimida» e tomar «comprimidos» para a redução da depressão, enveredou por um caminho que lhe proporcionou outras benesses, incluindo um namorado novo e uma desvin-culação total da tutela da mãe.
Depois de ler o «caso» da Isilda, uma nova paciente que fora diag-nosticada e medicada como «depressiva», tentou seguir-lhe as pisadas e, não tendo outra opção, tentou com sucesso efectuar uma psi-coterapia por si própria. A 3ª edição actualizada deste livro vai ter o título COMBATA A DEPRESSÃO POR SI PRÓPRIO
Hugin, 2ª ed, 96 pp.,15,3x22,3 [cm], 1998
ISBN 972-8310-64-1 / € 10,50
*********************************


COMO «EDUCAR» HOJE
Educar convenientemente uma criança, desde os mais verdes anos, ajudando-a a estruturar a sua personalidade de modo a ultrapassar construtiva e saudavelmente as frustrações, é meio caminho andado para o sucesso na vida.
Com a Cristina acontecia o contrário. Apesar de ter um curso superior e de exercer um bom cargo de chefia, não só não conseguia tirar proveito das suas capacidades, como se sentia quase excluída do meio sócio profissional envolvente. A sua «educação», «socialização» ou «formação da personalidade eram as principais causas desta situação. Apesar de dizer que não necessitava de ajuda psicológica, uma psicoterapia «disfarçada de conversa» e alguns exercícios ajudaram-na a ter uma vida completamente diferente.
A 2ª edição deste livro, da editora Plátano, tem o título SUCESSO NA VIDA! Por Que Não?
Hugin, 100 pp.,15,3x22,3 [cm], 1998,
ISBN 972-8310-90-0 / € 10,50
******************************

ESTE POST, actualizado e com o mesmo título, FOI TRANSFERIDO PARA a barra lateral (direita) do NOVO blog
PSICOLOGIA PARA TODOS.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

AGRADECIMENTOS E INFORMAÇÃO

Agradecemos toda a colaboração que nos foi dada desde o início do blog PSY FOR ALL, em fins de 2006, então alojado no Blog.com, e continuada aqui, no Blogspot, desde Agosto de 2008, como PSICOLOGIA PARA TODOS. Iremos agora migrar para o Wordpress. O nosso endereço passa a ser: http://psicologiaparaque.wordpress.com/  

Esperamos e agradecemos a continuação das vossas visitas e comentários para que este blog se mantenha sempre actual e possa servir para difundir os conhecimentos de Psicologia para o bem-estar comum de todos nós.

Até breve. Visitem-nos aqui.
Mário de Noronha

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

UM BÁLSAMO PARA O DESESPERO? **

Vi o comentário de um anónimo (a?) no post Ser Perseverante, de 21 JUN 2009, o qual vai ser transcrito a seguir para que todos compreendam a resposta que vou dar para ajudar minimamente uma pessoa em natural desespero.

“Este post e os comentários de Fernando Magalhães e Inácia de Jesus fizeram-me pensar em perguntar se poderei fazer algo por mim própria para não me sentir tão desesperada como agora.
Há anos, por pressões do meu patrão, ajudei-o a fazer uma falcatrua assinando um documento comprometedor.
Ele ganhou milhares de contos e deu-me dois para me adoçar a boca.
Quando o escândalo rebentou inesperadamente, ele safou-se descartando-se de mim e agora, com 50 anos, estou nas mãos de justiça por causa da minha maldita assinatura
Sem dinheiro, sem emprego, sem apoio e sem posses para qualquer aconselhamento, poderei fazer qualquer coisa por mim própria para aliviar o meu sofrimento enquanto aguardo a lenta marcha da justiça?
Vou continuando a visitar o seu blog porque espero que me responda com brevidade.
Não me posso identificar por questões de segurança. Deve compreender.
Obrigada.”
16 de Novembro de 2009 16:37



Pela maneira como a senhora fez o comentário, parece-me que, depois de se descobrir a falcatrua, o seu patrão tentou safar-se alijando em si todas as culpas.
Por acaso, não foi a sua secretária de maior confiança?
Além disso, parece-me que a senhora não quer ilibar-se de toda a culpa. Por isso, está em conflito consigo própria, além de excepcionalmente desiludida com o seu antigo patrão.
Se assim é, muito vai ter de lutar consigo própria para «carregar» a culpa sozinha.
Comportamentos de patrões como o seu, são usuais na nossa sociedade chamada «civilizada», mas muito «gananciosa». Com eles, é necessário guardar «trunfos na manga» que a senhora não parece ter. Para isso, teria de usar vestidos de manga comprida. Se calhar os seus vestidos eram de manga curta e confiou demais no seu antigo patrão.
Agora, apenas para aliviar a situação aflitiva em que diz que se encontra, peço que, antes de tudo, leia o meu post AUTOTERAPIA, de 24 de Fevereiro de 2009 e pratique o relaxamento que está nele descrito.
Entretanto, como já viu o SER PERSEVERANTE, vá consultando outros posts tais como:
PROFILAXIA E PSICOTERAPIA NA DEPRESSÃO, de 6 de Junho de 2009.
STRESS, de 11 de Setembro de 2008.
Com estas leituras ou quaisquer outras que consiga fazer, assim como praticando a relaxamento, deve ter a possibilidade de experimentar «uma viagem ao seu passado» evocando muitos factos que a levaram a ficar presa a um compromisso de falcatrua.
Pense bem, vasculhe na memória todos os pormenores dos quais se puder lembrar. Podem ser importantes para as declarações ou esclarecimentos que prestar a quem estiver a averiguar os factos da falcatrua. Pode lembrar-se, sem querer, de algum pormenor insignificante mas que possa contribuir para que algo de diferente aconteça nas averiguações que julgo estarem em curso. Pode até corrigir alguns dados que não tenham sido devidamente esclarecidos. Depende muito da sua entrada em relaxamento e da «disponibilidade mental» com que recordar tudo aquilo que se passou e o modo como aconteceu.
Em alguns casos pode ajudar, mas o mais importante, é a senhora conseguir compreender a situação total e, sem tentativas de justificação para se sentir com razão, compreender que nas circunstâncias do momento seria difícil ter outras alternativas. Todos vamos ter de viver com o nosso passado, mas conseguiremos levar uma vida menos angustiada se compreendermos os factos e, depois de analisados, os aceitarmos com racionalidade.
Boa sorte e menos angústia. Da minha parte, não posso ajudar mais a reduzir o seu desconforto sem conhecer outros elementos importantes da sua vida.

domingo, 8 de novembro de 2009

ATITUDES E ATRIBUIÇÕES **

Quando entrei no meu blog, vi dois comentários a necessitar de aprovação, a qual foi dada imediatamente.

Porém, o comentário feito por um Anónimo na tarde de 4 de Novembro de 2009, no meu post AS ATRIBUIÇÕES ERRADAS, de 9 AGO 2009, dizia o seguinte:

“Ouvi dizer que o senhor é o único professor no ISMAT que não fornece aos alunos, nem por «e-mail», a cópia dos «powerpoint» que apresenta nas aulas e que servem de suporte para as suas aulas.
Porquê? Qual o inconveniente de aceder ao pedido deles?
Faço esta pergunta num «comentário» porque também me disseram que era a sua preferência em relação ao e-mail.
Pode-me dar uma explicação?”


Embora pudesse responder ao comentário com um outro, preferi fazê-lo, com alguma demora através de um post porque o assunto diz respeito à minha boa ou má colaboração na docência que tenho vindo a exercer há cerca de dez anos, no ISMAT.

Por este motivo, resolvi conversar com um amigo meu, antigo colega da Faculdade, professor universitário agora em descanso, com mais 20 anos de serviço do que eu, para que me desse alguns conselhos sobre o assunto.

Quando lhe apresentei o post e o respectivo comentário, expus o modo como dou as aulas, mas ele resolveu manter comigo um diálogo que esclarecesse melhor aquilo que eu lhe estava a contar.

-- Tu não apresentas aos alunos o programa da disciplina?
-- Com certeza. Faço-o logo na primeira aula e também lhes digo o modo como vou fazer a avaliação de conhecimentos.

-- E a bibliografia?
-- Discrimino-a completamente.

-- Há livros para eles poderem estudar?
-- Como os essenciais são compilações que fui fazendo ao longo do tempo e estão publicadas, deixei na biblioteca pelo menos uma cópia de cada livrinho. Além disso, recomendo-lhes outros manuais que são por mim indicados na bibliografia.

-- Eles podem adquirir os livros que desejam se não quiserem sujeitar-se às vicissitudes da biblioteca?
-- Até eu lhes levo, de Lisboa, alguns livros, comprando-os a um «preço de autor».

-- E o que são os tais «powerpoint»?
-- São «apontamentos» resumidos que faço para mim, como ajuda para me orientar na aula, expor melhor a matéria e não me esquecer de coisa alguma. São como os antigos acetatos.

-- Tudo o que dizes está nos livros?
-- Absolutamente tudo, menos a «conversa» particular de cada aula e um ou outro exemplo elucidativo do qual me possa lembrar e que também não está nos tais «powerpoint».

-- Se lhes desses os «powerpoint» eles seriam capazes de responder às perguntas do exame?
-- Provavelmente não, porque às vezes, se eu não os reler antes das aulas, os mesmos podem não me dizer coisa alguma.

-- Será que eles querem que lhes leves a comida à boca?
-- Não sei.

-- Ainda te lembras dos tempos (1958) em que havia «sebentas» que tínhamos de decorar «ipsis verbis» para quase citar o número da página nas respostas dos exames? Isso não nos dava a possibilidade de pensar por nós ou contestar qualquer coisa que não achássemos correcta, deixando-nos na completa dependência do Professor Sabe-Tudo (e ninguém sabe mais do que ele). Eram os nossos tempos, mas fomos evoluindo aos poucos com o contacto mantido com os que se formaram no estrangeiro. Ainda bem.
-- Já no meu tempo de formatura (1975) as coisas estavam mudadas e nós tínhamos de ir às fontes buscar informação por iniciativa própria, geralmente em língua inglesa ou francesa, sem ficarmos na dependência do professor.

-- Acho que fazes muito bem, porque a entrega dos «powerpoint» pode deixá-los na tua dependência muito mais do que as sebentas que tinhamos de decorar. Agora, os teus livros devem ajudar muito se lhes deres a oportunidade de consultar o que desejam.
-- Essa liberdade é total. Os livros são apenas para lhes facilitar a vida e também para lhes dizer que, no exame, não vou fazer quaisquer perguntas fora dos mesmos.

-- Já estás a facilitar muito.
-- Quase que te garanto que se não lerem os livros recomendados, ou outros equivalentes e não tomarem notas nas aulas, de pouco lhes servirão os «powerpoint» que desejam. Talvez os outros professores preparem os «powerpoint» como se preparam os discursos. Os meus só servem para mim quando os releio e recordo a matéria antes de dar as aulas. E já que falas na comida, os meus não são comida para levar à boca mas sim algum alimento que deve ser utilizado com uma sonda que vá ter directamente ao estômago. Se os alunos não lerem mais nada, vão ficar à fome porque o alimento está nos livros e nos apontamentos que eles tirarem dos livros ou das aulas. Se não se habituarem a consultar os livros ou a assistir a todas as aulas, podem ter a sorte de acertar em algumas respostas, sem saberem coisa alguma da matéria. E depois, qual a quantidade de ciência que apreendem? O que vão fazer no futuro? Como se governarão na vida prática? Julgo que não haverá muitos que tenham papás ou padrinhos que lhes «arranjem» um bom lugar com o diploma que obtiverem.

-- Já agora, para que serve e de que trata o teu blog?
-- Destina-se a dar respostas a muitas pessoas que me põem problemas (tipo consultas) e até para poder explicar melhor aquilo que os alunos desejarem, se me quiserem fazer perguntas extra aulas. Já lhes disse que podem dispor do meu tempo, pelo menos uma ou duas horas antes das aulas, sempre que tiver disponibilidade para isso..

-- E eles fazem-te perguntas nesse tempo?
-- Quase nunca.

-- E já lhes falaste no blog?
-- Já. Até está mencionado na bibliografia que lhes dei.

-- Então, eu também vou consultar hoje o teu blog e ver os «powerpoint» e amanhã continuamos a conversa.

    *****************************************
-- Já li o teu blog e vi os tais «powerpoint» mas também gostava de saber se os alunos estão satisfeitos com as tuas aulas.
-- Há dez anos, quando comecei a dar aulas no ISMAT, pedi à administração que solicitasse dos alunos uma avaliação anónima (secreta) acerca da eficácia das minhas aulas, porque não gostaria de as dar se eles não gostassem das mesmas.

-- E qual foi o resultado?
-- Informaram-me que a maioria dos alunos gostava, avaliando-as acima do «normal». Suponho que fazem isso todos os anos.

-- Se a maioria deles até gosta das tuas aulas, coloca-te numa atitude defensiva e podes fazer a atribuição de que alguns até vão querer que sejas tu a responder às perguntas de avaliação que fizeres nos exames. Se quiseres ter a certeza disso, faz-lhes uma pergunta de verificação na próxima aula: “Quantos já consultaram o blog?” Se forem menos de 50%, podes estar certo de que com ou sem e-mail ou «powerpoint» vão ficar na mesma. Vão querer tirar o curso com o menor esforço possível, sem a preocupação de saber a matéria. Mas, garanto-te que nem um quarto dos alunos consultou o blog onde poderiam ter aprendido muito mais do que nos teus «powerpoint», que também vi ontem à noite.

**************************************
Depois desta explicação e dos conselhos que me foram dados pelo meu amigo, vou ver se na próxima aula faço a pergunta de verificação para me elucidar melhor. Ao meu amigo, agradeço sinceramente a conversa que me ajudou a perceber que estou com razão. Fornecer os «powerpoint» só pode prejudicar os alunos que conseguirão apreender melhor a matéria se estiverem com atenção nas aulas e tomarem apontamentos do que lhes interessar, ou lerem cuidadosamente os livros. Não desejo que o ensino se degrade. Pelo contrário, quero promover a sua melhoria e a boa qualidade na medida do que me for possível. «Bolonha» também exige isso.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

AUSÊNCIA DAS MÃES EM CASA E OBESIDADE **

Um comentário ao meu post O Autismo Entre Nós, de 31 Agosto 2009, feito por um anónimo, no dia 15 de Outubro corrente, diz o seguinte:
“Ouviu dizer que um estudo inglês descobriu que a obesidade está
 correlacionada com a ausência das mães em casa por causa
 do emprego?
 Qual a sua opinião?”


A minha resposta, sem conhecer esse estudo, mas vendo a reportagem apresentada na televisão, é muito simples e baseia-se nos conhecimentos sobre a modificação do comportamento.

1.  Qualquer ser animal e especialmente o humano, necessita de reforço, isto é, satisfação. Por isso, procura obtê-lo da maneira que lhe é mais fácil e económica. Em cada momento, cada um sente essa satisfação da maneira que lhe é peculiar, isto é, através de elogios, carinhos, honras, dinheiro, reconhecimento do seu trabalho, etc., que se traduz em reforço.
2.  Qualquer criança necessita de atenção, carinho e afectividade e isto até se verifica nos restantes seres animais. É por isso que as crias ficam nos primeiros tempos de vida, com os progenitores ou com a sua espécie até se autonomizarem e se tornarem adultos, obtendo destes os reforços adequados.
3.  Se não houver o carinho, o afecto e a atenção que proporcionem reforço, o ser humano pode eventualmente conseguir obter esse reforço que lhe é necessário através de diversas acções tais como comer, brincar, maltratar os outros, imaginar situações fantasiosas, fazer disparates para chamar a atenção, etc.
4.  O reforço obtém-se quando qualquer das acções equivalentes às enunciadas tiverem bom resultado e derem satisfação. É o reforço positivo.
5.  Quando situações semelhantes se repetirem e continuarem a dar reforço, especialmente o de razão variável ou aleatório, é provável que exista uma aprendizagem cada vez maior e mais alienante porque funciona para dar satisfação, que não é conseguida de outro modo.
6.  Quando a falta da mãe ou o pouco contacto com ela reduzir o carinho, o afecto e a atenção necessária, a comida pode funcionar em sua substituição, especialmente porque os pais, muitas vezes, dão guloseimas em vez do carinho e afectividade que são imprescindíveis. Assim, a falta de atenção dos pais pode ser substituída por presentes, uma boa refeição ou guloseimas. Também, o exemplo de consumo de guloseimas pelos pais pode muitas vezes servir como um modelo a ser imitado. Isto acontece frequentemente, com os pais que dizem aos filhos que os mesmos fazem mal. Obtido o reforço com estas comidas e com os modelos que os pais proporcionam, pode até haver a possibilidade de os filhos tentarem identificar-se com eles e até tentar superá-los.

Por isso, não admira que a obesidade tenha vindo a aumentar ao longo do tempo e que seja maior nos lares em que a «ausência» ou «desapego» dos pais em relação aos filhos seja também maior do que em qualquer outro contexto.

--  Se os pais mantiverem um bom contacto com os filhos;
--  se lhes derem conselhos acerca duma alimentação saudável;
--  se lhes proporcionarem exemplo e modelo adequados através dos seu comportamento;
--  se elogiarem os filhos e lhes prestarem maior atenção sempre que tiverem uma alimentação saudável;
é muito provável que esta correlação de chamada «ausência das mães» possa ser substancialmente reduzida, especialmente se o pai também «entrar no jogo» de educar os filhos com bons modelos e reforços.

Muitas vezes não é só a ausência, mas a falta de paciência para «aturar os filhos», depois de um dia de trabalho e «chatices», que ocasione o «desapego».

Por este motivo, todos os Governos, especialmente na Europa, têm de pensar muito bem no «equipamento social» chamado família dando-lhe boas condições para procriar e educar os filhos saudavelmente. O tempo e a qualidade para o bom aconpanhemento dos filhos pode ser crucial para o desenvolvimento saudável duma nação.

Se isso não acontecer e se este facto não for tomado em conta, em pouco tempo poderemos ter um mundo ocidental alienado, tecnologicamente avançado, delinquente, obeso e viciado.
Não se julgue que os vícios da droga, do álcool, da ganância, incluindo o de defraudar os outros, ou qualquer outro, como os actuais jogos de computador ou da lotaria não se situam nestes parâmetros. Basta ouvir as televisões a apresentarem outros estudos (informação dada ontem na televisão), que tiram conclusões a jusante como os efeitos que esses vícios ou alienações ocasionam. É necessário descobrir quais as causas que provocam o efeito, que é essa alienação ou vício. As pessoas vão buscar a satisfação naquilo que conseguirem fazer melhor e mais rapidamente para se sentirem felizes, embora não se possa dizer que o consigam ser, de facto.

A insatisfação sentida pelos que praticam
actos desviados moral e financeiramente,
são o reflexo disso.

Estamos todos inseridos numa cultura que prevalece como uma norma social a seguir. Não nos é estranho ver realçados os valores do dinheiro da aparente beleza, da confusão da satisfação da felicidade com os bens materiais e financeiros, privilégios e honrarias. Nesta cultura, as pessoas que não conseguem obter aquilo que a sociedade realça como fins a atingir, sente-se frustrada. Para obter a sensação de vencer, ensaia diversas actuações até imaginar que está a conseguir sair vencedora segundo os cânones sociais estabelecidos. Entretanto, foi executando comportamentos «desviados» que proporcionaram uma aprendizagem tão vincada e a longo prazo que é difícil de ser desaprendida com facilidade e até pode prejudicar a boa saúde física e mental. Esta actuação não é o resultado de um dom ou de uma predisposição inata mas sim duma capacidade adquirida com a aprendizagem naquela sociedade.
Senão, vejamos o que acontece em muitas sociedades primitivas em que a «gordura» ou a «competição» não é valorizada mas até é desaconselhada.

Para tanto, a «educação» é extremamente importante mesmo nas comunidades animais selvagens, onde as crias ficam muito tempo com os progenitores. Será que o mesmo acontece agora nos aglomerados humanos primitivos? E se olharmos para os «civilizados» podemos dizer o mesmo?

Tudo isto está cientificamente enquadrado e explicado em linguagem simples nos cinco pequenos volumes intitulados COMO MODIFICAR O COMPORTAMENTO, da Plátano Editora, bem como no volume SAÚDE MENTAL sem psicopatologia, da Calçada das Letras. Diversos posts anteriores trataram deste assunto respondendo a várias perguntas feitas pelos nossos interlocutores ou comentadores.
Com o contacto, cada vez mais reduzido estabelecido pelos pais (pai e mãe) com os filhos, é durante este importante tempo de educação que se adquirem muitos vícios que só tardiamente são «estudados» para se descobrirem os seus efeitos nocivos.
Depois, surgem as propostas para os combater com medidas extraordinárias de maior envergadura e menor eficácia do que as possíveis numa educação saudável desde a nascença, pelo menos, até à puberdade.

Espero que tenha conseguido dar a resposta possível ao meu comentador anónimo, a quem agradeço a colaboração prestada com o seu comentário oportuno.

Ver o post LIVROS DISPONÍVEIS.

sábado, 10 de outubro de 2009

REEDUCAÇÃO DE DEFICIENTES

Fernanda Lima disse:
       “O meu filho, com 6 anos, apresenta dificuldades escolares e não sei o que fazer. Não consegue pronunciar muitas palavras e nem todas ficam bem pronunciadas. É irrequieto no seu comportamento e não consegue executar certos pedidos parecendo que não os entende. Uma vizinha disse que ele pode ser deficiente e aconselhou a ir a um psicólogo. O meu filho mais velho, de 16 anos, disse que eu vos podia perguntar o que fazer sem ter de pagar, porque as minhas dificuldades financeiras são grandes. Posso ter alguma ajuda?”
10 de Outubro de 2009 18:06


D. Fernanda Lima,
Acabei de ler o seu comentário, o qual prefiro a um e-mail, e vou tentar dar-lhe uma resposta rápida e resumida para satisfazer a sua provável dificuldade.
O conselho da sua vizinha de levar o seu filho a um psicólogo parece-me sensato e pelas poucas informações que a senhora me acabou de dar, julgo que ele não esteve em qualquer infantário. Se não, penso que já teria sido detectado qualquer défice que ele possa ter. Não era assim nos meus tempos, mas agora, quase todas as escolas anunciam que são acompanhadas por psicólogos.
Se o seu filho não esteve em qualquer infantário, como presumo, parece-me importante que a senhora saiba observá-lo com cuidado, quer para tomar as medidas que ache necessárias, quer para poder dar ao psicólogo as informações devidas para que a avaliação dele seja mais rápida e facilitada pelos esclarecimentos prestados. Além disso, mesmo que vá ser observado agora por um psicólogo, a sua acção em casa pode ser muito importante e facilitadora em todo o processo de reeducação, caso seja necessário.
Não consigo dar-lhe mais informações sem observar o seu filho, mas um dos meus antigos casos com crianças deficientes, apoiado em 1977, pode servir de guia como resposta ao seu pedido reforçado pelo seu filho mais velho.

Porém, como me parece que consulta os blogues, por si ou através do seu filho, aconselho a, antes de tudo, ver os meus posts:
Reforço do Comportamento Incompatível, de 20 de Agosto de 2008;
Dificuldades no Comportamento, de 20 de Agosto de 2008;
Modificação do Comportamento, de 26 de Agosto de 2008;
Dislexia, de 5 de Setembro de 2008;
O Valor do Reforço, de 16 de Janeiro de 2009.
Se quiser, pode também consultar o post A Pedagogia em Portugal, de 1 de Outubro de 2008.

Especificamente para a situação do seu filho, aconselho que leia, em primeiro lugar, com muito cuidado:
REEDUCAR COMO? (páginas 75 a 88), da Plátano Editora.
Em seguida, leia o resto desse livro ou releia-o e tire daí as suas conclusões a fim de poder observar melhor o seu filho, como se não fosse seu, tal como nós o fazemos.
Leia depois outros dois livros, também da Plátano:
SUCESSO ESCOLAR e
APOIO PSICOPEDAGÓGICO, a fim de poder descobrir se pode fazer algo para alterar a situação actual.
Se necessário, consulte também os 5 volumes de COMO MODIFICAR O COMPORTAMENTO, da Plátano.
Envolva o seu filho mais velho em todo este processo porque, sendo jovem e sensato, pode dar alguma ajuda substancial.
O rapaz do «caso» acima mencionado melhorou bastante quando teve a ajuda dos pais. Quando, ao fim de um ano do meu apoio, os pais «se esqueceram» de tomar parte na reeducação, esse rapaz piorou apesar de estar a frequentar uma escola especial. Agora, já adulto, fica sentado na varanda da sua casa a menear-se para frente e para trás.
Julgo que, por razões óbvias, não proponho a ajuda do seu marido.
Para a consulta dos livros, se ninguém lhos puder emprestar (por exemplo, Bibliotecas Municipais), pode socorrer-se das livrarias mais conhecidas ou, de preferência, utilizar a internet onde a Plátano tem a sua página. Cada livro, dos que indiquei, deve custar cerca de 10 euros ou menos. Uma primeira consulta não deve ficar por menos. Depois, terá os exames e as avaliações e, se necessária, a reeducação.
Dou-lhe estas informações, com urgência, porque me parece estar com certa pressa e surpreendida com a situação que não deseja ver prolongar-se por muito tempo. Por isso, garanto que a participação dos pais é extremamente importante. Leia com atenção o desfecho desse «caso». Se não tiver de consultar um psicólogo ou necessitar dele como apoio suplementar, vai ser extremamente económico em tempo e em finanças.
Fico aguardando notícias sobre o desenrolar dos acontecimentos.
Boa sorte.

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

O AUTISMO ENTRE NÓS


O blog Compincha - CãoPincha enviou-me a seguinte mensagem:

“Lembra-se que fizemos um comentário no seu post DESABAFO, de 1 de Outubro de 2008 e que depois, nós também fizemos um post, em 19 de Outubro, com o título MILAGREIROS E TRAPACEIROS, no nosso blog antigo?
Agora, se viu a reportagem especial da
SIC, na noite de 30 de Agosto, como psicólogo que se dedicou à reeducação de crianças com dificuldades, gostaríamos de saber qual a sua opinião sobre o assunto.
Com agradecimentos antecipados,
CãoPincha.”


Caros senhores CãoPincha:
Já vos tinha pedido para me deixarem descansar porque estou de férias. Mas, como esta resposta se vai basear em factos já passados e relatados há mais de 30 anos, vou transcrever aquilo que puder.

A notícia dada pelo canal 1 da RTP, na noite de 19 de Maio de 2008, de que o Sr. França, com um filho autista, tinha conseguido que técnicos estrangeiros viessem dar, em Portugal, um curso para treinar pessoas a lidar com essas crianças, fez-me relembrar o que se passara há mais de (30) anos e ocasionou o post DESABAFO, de 1 de Outubro de 2008.
Outra das razões para elaborar esse post foi verificar que nos casos descritos na literatura científica adequada, a diferença substancial entre nós e o estrangeiro se situa nos meios terapêuticos disponíveis. Um outro factor que talvez possa influenciar é a pouca informação daquilo que se faz em Portugal e, mais ainda, daquilo que é possível efectuar.

Os estrangeiros têm meios técnicos, materiais e financeiros muito mais avultados do que nós para publicarem as suas experiências,… a fim de nós as lermos com sofreguidão!

E depois, não fazemos coisa alguma a não ser «adquirir material» que fica depositado sem ninguém o utilizar ou conseguir manipular!

A ansiedade que existia nesse tempo (1977) acerca destes problemas bem como as preocupações, continuam a ser semelhantes (2009) e as possibilidades de solução já estariam a ser seguidas se houvesse um empenho mais acentuado dos pais e das entidades responsáveis.

Em Outubro de 2008, quando o ISMAT, em Portimão, me pediu para fazer uma intervenção sobre a minha prática clínica, fiz um pequeno sumário, com a ajuda do powerpoint e preparei um texto escrito, que foi distribuído por quem o desejou.
Nesse texto, com cerca de 10 folhas, está indicado que, especialmente em relação ao autismo, houve da nossa parte, pelo menos, três intervenções públicas em meios de comunicação social e que se mencionam a seguir:

PARQUE, Jul 1977: entrevista com Prof. Doutor Joe Morrow. (A aprendizagem dos «deficientes»)
PARQUE, Jul 1977: artigo (Podem os pais ajudar a educar os seus filhos autistas?)
ECOS DE BELÉM, Fev 1978: artigo (Crianças autistas têm associação em Belém)

Por uma questão de não sobrecarregar este post, apenas vou transcrever o artigo «Podem os pais ajudar a educar os seus filhos autistas?», publicado em Julho de 1977 no jornal mensal PARQUE, do Centro de Bem-Estar Social de Queluz, onde iríamos fazer um trabalho de investigação.
Essa investigação, baseada numa bem sucedida experiência piloto, iria englobar os pais na reeducação e reabilitação dos seus filhos deficientes.

Esta experiência piloto com um rapaz de 8 anos, está descrita no artigo Deficiência e Condicionamento Operante, publicada nas páginas 106 a 111, do nº 163, de ABR-JUN, de 1978, da Revista HOSPITALIDADE, da Casa De Saúde do Telhal.
Depois da acção limitada e impossível de continuar pelo psicólogo, por várias razões, a criança ingressou no ensino normal sem qualquer apoio durante um ano e, no ano seguinte, foi mandada para uma escola especial onde até conseguiu regredir. Actualmente, sentado numa varanda, só consegue executar comportamentos de auto-estimulação, sem qualquer sentido.
Na investigação pretendida, a proposta inicial do psicólogo foi:
a) envolvimento dos pais na reeducação;
b) um ano de trabalho em casa para a criança ser integrada numa escola «normal» com apoio dos psicólogo, reeducadora e pais, durante cerca de 5 anos;
c) preparação para poder estar a «trabalhar» num quiosque de jornais com apoio de outra pessoa mais responsável (provavelmente o pai, depois de aposentado).
Nada disso foi possível realizar por recusa dos pais em continuar a participar na co-reeducação.

Em resumo, esta nova experimentação e investigação de que estamos a falar, constaria da reeducação, durante um ano escolar, de 10 crianças com dificuldades várias e de frequentar uma escola «regular», utilizando como técnicos apenas com uma professora de integração a tempo inteiro, uma psicólogo em tempo parcial, duas auxiliares de acção reeducativa e duas mães. Todas essas mães não tinham qualquer emprego fora de casa e ficavam com os filhos quando eles não estavam na escola.
Todas as acções dos técnicos e auxiliares seriam filmadas e gravadas em fita magnética sonora para posterior visualização, audição, análise e crítica, propícia para a aprendizagem e verificação dos lapsos ou das acções correctas que tinham sido efectuadas. Serviriam também para futura aprendizagem.
A Fundação Gulbenkian comprometeu-se a custeá-la e até o Ministério da Educação se «dignou» apoiá-la destacando a professora de ensino integrado!

Não foi possível concretizar esta investigação porque os pais não se dispuseram a colaborar dizendo que qualquer intervenção deveria ser efectuada apenas pelos técnicos habilitados para isso.
Também não valia a pena efectuar a investigação sem a intervenção dos pais porque:
1) haveria necessidade de contratar mais duas auxiliares, o que não era possível por não haver meios financeiros para isso;
2) a substituição dos pais pelas auxiliares nos actos de reeducação, faria com que uma relação pais/filhos que se pretendia modificar em casa, não fosse possível por falta de modelagem e de treino dos pais;
3) não existiria um relacionamento saudável e reeducativo pais/filhos, que se desejava implementar, fazendo reduzir, consequentemente, a afectividade dispensada e o aumento de reforço que a criança poderia obter;
4) seria necessário adiar a investigação o tempo suficiente para treinar as auxiliares;
5) o rendimento ou o desempenho do comportamento das crianças seria muito menor, ou até nulo apesar do aumento das despesas, só por causa da recusa dos pais em comparticipar na investigação.

PODEM OS PAIS AJUDAR A
EDUCAR OS SEUS FILHOS AUTISTAS?

Pela nossa parte, não só dizemos que «podem», mas até acrescentamos que «devem», porque não existe melhor educador do que o meio ambiente familiar, quer os pais sejam iletrados, quer pouco instruídos.
A criança autista, como qualquer outra «deficiente», necessita de mais ajuda do que a «normal», para conseguir ultrapassar as dificuldades a que está submetida.
Rimland, citado por Davison e Neale, elaborou uma lista de dez condições que diz serem indispensáveis para que se possa considerar uma criança como autista. Vamos desrevâ-las sumariamente:

1.º - A manifestação do autismo é perfeitamente detectável nos três primeiros anos de vida.
2.º - A aparência da criança é boa e a saúde excelente.
3.º - Os traçados do EEG são normais.
4.º - Existe uma repulsa pelo contacto físico.
5.º - A criança apresenta necessidade de isolamento «autista».
6.º - Tem necessidade de manter tarefas ou actos rotineiros para auto-estimulação.
7.º - Existe graciosidade e agilidade na movimentação dos dedos da mão.
8.º - A ecolália e a inversão dos pronomes, são característicos.
9.º - Os pais são geralmente instruídos e com QI elevado, não tendo antecedentes familiares com distúrbios mentais.
10.º - Tem talento extraordinário numa área muito limitada e específica, enquanto apresenta atraso em todas as outras.


Supondo que uma criança consegue reunir as dez condições atrás descritas, é certo que poderemos dizer que é autista mas de nada servirá apenas c1assificá-la, se isso não servir para utilizarmos as técnicas mais eficientes para a ajudar a desenvolver as capacidades que são passíveis disso.

Reportando-nos a experiências realizadas nos E.U. A., dois psicólogos, Laura Schreibman e Robert Koegel, que trabalham em Universidades da área de Califórnia, dizem-nos que durante os vários anos de suas experiências, conseguiram que as crianças autistas, quaisquer que fossem as suas dificuldades, realizassem grandes progressos a ponto de continuarem a sua educação em escolas normais, desde que os pais e os professores fossem suficientemente treinados para ajudar os terapeutas profissionais.

Embora as crianças não fiquem completamente «curadas», a utilização sistemática das técnicas de modificação do comportamento, faz com que as pais possam suplementar a acção dos psicólogos e outros técnicos.
Para que se possam atingir os resultados de que nos falam, é necessário manter os seguintes cinco princípios:

a) - Definir os objectivos que a criança tem de atingir.
b) - Dar à criança instruções claras e sem possibilidade de ambiguidades.
c) - Ajudar a criança a dar a resposta correcta.
d) - Progredir lentamente em etapas sucessivas.
e) - Recompensar a criança imediatamente e de forma correcta, logo depois de se obter dela urna resposta certa.

Os psicólogos mantêm estes 5 princípios sempre que trabalham em situação clínica e terapêutica com as crianças, enquanto os pais os observam através de espelhos unidireccionais (one way screen).
Deste modo, os pais aprendem por observação (modelagem) e, colocados em situação terapêutica na própria clínica, são ajudados (facilitação social) pelos terapeutas a aperfeiçoarem a sua actuação (moldagem) que será de muita importância quando utilizada com a criança, em casa.
Além deste treino, os pais assistem a reuniões periódicas onde são esclarecidos em conjunto e onde podem pedir conselhos acerca de quaisquer dificuldades que surjam no seu contacto com os filhos.

Porém, em Inglaterra, o panorama é diferente e até há bem pouco tempo (1975) a colaboração dos pais era nula.
Os terapeutas faziam tudo, mas eram insuficientes.
Das 5.000 crianças autistas, apenas 800 tinham a sorte de frequentar escolas especiais, ficando as outras institucionalizadas na companhia das demais crianças com problemas psicóticos.
Somente há cerca de 6 anos (1968), duas psicólogas clínicas, Patricia Howlin e Rosemary Hemsley, iniciaram no Instituto de Psiquiatria, de Londres, uma experiência de envolvimento dos pais na educação dos filhos autistas e, em Manchester, outro programa de experiências está em curso (1978) com Dorothy Jefree e Roy Mc Conkey. Embora todo este processo de alterações ao nível da educação da criança autista seja longo e demorado e abranja pouquíssimas famílias, os investigadores esperam que não haja quem tenha de escrever a respeito de um filho autista, aquilo que um pai escreveu:
«Tanto quanto eu sei, Lorel, durante os seus 20 anos de internamento no Hospital, não obteve nada mais do que as três refeições diárias - além das drogas que tinham de ser experimentadas».

Em vez de gastarmos dinheiro do erário público com programas fantasiosos que figuram nas estatísticas sem um benefício real para a população, quando será que em Portugal seremos capazes de iniciar programas experimentais, sérios e com técnicos honestos e competentes?
O que nos interessa com estas linhas, é alertar os pais das crianças autistas ou com qualquer outra deficiência.

A Inglaterra, país muito mais rico do que o nosso, luta com falta de escolas especiais. Convém não esquecer que nós até lutamos com falta de escolas normais e nem nos próximos 10 anos (1978+10= 1988) conseguiremos ter escolas com as condições necessárias para todos.

Os investigadores americanos dizem: «o sucesso dos pais é impressionante porque apesar de serem amadores, tornam-se eficientes em poucas horas. Isto contradiz os anos de treino extensivo que se dá aos médicos e psicólogos, que ao longo dos anos têm vindo a tratar das crianças autistas».

A pouca experiência que temos nesta espécie de trabalho -- apoio à criança com dificuldades, quer seja «normal», quer «deficiente» -- dá-nos a impressão de que a boa participação dos pais na educação ou apoio aos filhos pode reduzir a 50% ou menos a acção ou participação do psicólogo ou de qualquer outro terapeuta. Outra vantagem que nos parece conveniente salientar, é a de que se obtêm resultados muito mais duradouros do que com a acção isolada do terapeuta. A generalização que se consegue, tanto no que respeita a pessoas (terapeuta - pais - familiares), como no que respeita ao local da terapia (consultório - casa - escola - sociedade), torna todas as acções terapêuticas duradouras, eficientes e vantajosas.

De 16 crianças autistas entre os 4 e os 7 anos de idade, 6 das quais completamente sem fala, todas com graves estereotipias e comportamentos de auto-estimulação, após 18 meses de treino de modificação do comportamento com uma professora, uma terapeuta e duas ajudantes, 10 conseguiram frequentar as escolas normais e 6 ficaram em escolas especiais para crianças autistas.
Estes resultados, obtidos com a colaboração dos pais, devem estimular os mesmos a tomar parte na educação dos filhos, quer normais quer deficientes, para que a sociedade de amanhã não ofereça ainda mais distorções e desigualdades do que a actual.

Enquanto não se conseguir esta participação activa e consciente, pouco teremos caminhado na senda do progresso.

Os dados para este artigo, foram extraídos do livro ABNORMAL PSYCHOLOGY, de Davison e Neale, 1974, e da revista PSYCHOLOGY TODAY, edição inglesa, nº 7, de Outubro de 1975.

Mário de Noronha / Zélia Elizabeth Feliciano de Noronha

(Página 9, de Julho de 1971, do PARQUE – algumas datas e sublinhados são nossos)


Depois do que ficou exposto e escrito há mais de 30 anos, será que ainda não temos em Portugal competências ou falta-nos o trabalho necessário e a vontade política de fazer qualquer coisa de válido?

Com esta resposta, espero que me deixem descansar um pouco depois de começar as provas extraordinárias e antes de recomeçar as aulas.
Mário de Noronha.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

AS SONDAGENS E AS PREVISÕES

O blog Compincha - CãoPincha no seu post O TERRORISMO HERÓICO, deste mês, mostrou desejo que comentasse o facto da libertação, por razões humanitárias e de seu regresso à casa, como herói, de Al Megrahi, o terrorista líbio que ocasionou a explosão do avião de passageiros em Lockerbie, Escócia, provocando a morte de milhares de passageiros.
Posso comentar este acontecimento envolvendo Al Megrahi apenas sob o ponto de vista da sua previsibilidade em Psicologia Social.
O Governo da Escócia deixou que, por razões humanitárias, um condenado fosse passar os seus últimos dias a casa e, provavelmente, nunca teve em mente quaisquer outras motivações a não ser o humanismo.
Contudo, a decisão deste acto humanitário não partiu espontaneamente do Governo da Escócia mas baseou-se em algum pedido feito pelo interessado. Interessa saber quem fez esse pedido e quem o apoiou? Com que intenções? Qual a razão de Khadaffi para não ter querido entregar inicialmente Al Megrahi à Justiça da Escócia? Que negociações e concessões se fizeram no momento da sua entrega? Quem as fez?
Provavelmente, esses mesmos protagonistas utilizaram agora argumentos semelhantes para conseguirem que a Justiça ou o Governo da Escócia deixassem ir Al Megrahi para casa, a fim de morrer em paz e não como os outros a quem ele provocou a morte, sem qualquer culpa dos próprios.
Se a recusa de sua entrega à Justiça da Escócia foi problemática, fazendo as atribuições necessárias, quem interveio nas negociações actuais deveria estar à espera que, neste momento, os mesmos protagonistas líbios tentassem tirar partido da situação. Esses meios de comunicação social são geralmente «controlados» pelo Estado. Por isso, era quase improvável que não utilizassem o regresso do condenado, humanitariamente libertado, como se fosse o «herói» duma vitória líbia.
Também, neste regresso a casa, como «vitória», largamente difundido pelos meios de comunicação social, com toda a probabilidade, não se deve ter feito qualquer menção às razões que levaram o Ocidente a libertá-lo, a seu pedido, para ir morrer em casa.

Verifica-se aqui que um simples acontecimento é difundido, em cada sítio com cores diferentes, sendo visto em locais diversos com cores que não são as originais.
Assim é algum mundo «democrático» tal como, provavelmente, seria o nosso há quase 60 anos! Alguém teria a possibilidade de saber, de certeza, a não ser por familiares, o que se passava na guerra das colónias? Quantos ficaram na Guiné «sem ninguém dar por isso» até há bem pouco tempo? E que notícias «estapafúrdias» foram difundidas «heroicamente» acerca da invasão de Goa pela União Indiana? Quantos militares portugueses «morreram» como foi difundido na época pelas estações de rádio e de televisão, «com cadáveres a boiar nas águas dos rios Mandovi e Zuari»? Os militares que lá estiveram que o digam. Por mim, que estava nessa ocasião em Angola, apanhei um susto de todo o tamanho e fiquei à espera, durante cerca de um mês, de notícias seguras da minha família. É assim em muitas «democracias»…

Se o Ocidente, que conhece bem a Líbia porque tem lá muitos interesses, quisesse que não houvesse especulações e aproveitamentos da parte dos líbios, deveria exigir, através dos negociadores que seguramente tomaram parte nesta questão, que cerca de duas semanas antes da «soltura», os meios de comunicação locais dessem a notícia de que dentro de duas semanas haveria a possibilidade de ser dada ao criminoso em cumprimento da sua pena, a seu pedido e apenas por razões humanitárias, a possibilidade de regressar a casa para passar os últimos dias antes de morrer devido à doença grave de que sofria. O Ocidente ficaria, então, à espera da difusão dessa notícia em tempo oportuno com controlo efectivo das acções tomadas pelos líbios, inclusive, do tipo de linguagem utilizado e notícias difundidas acerca do assunto. Deste modo, o povo líbio, através dos meios de comunicação social de sua confiança, saberia a versão do ocidente acerca da libertação do criminoso.
E os dirigentes líbios não saberiam dessa doença no momento em que entregaram Al Megrahi, depois de longos anos de espera? No momento da entrega, não teriam feito os seus cálculos sem os ocidentais se aperceberem disso?

É assim que se faz na previsão através das atribuições, tomando em conta toda a situação e as personalidades dos envolvidos.
Não é assim que se faz nas eleições? É por isso que as sondagens são importantes, inclusive por causa de possibilidade da sua manipulação em benefício próprio.